quinta-feira, 12 de março de 2009

Ditados


Que ele há coisas engraçadas, certamente há. Uma que me suscita particular interesse, são os ditados, essas peças de tradição e saber empírico de tantas gerações.

Há alguns tipos de ditados: os mais conhecidos, do estilo "Quem espera sempre alcança"e seu irmão "Quem espera desespera" - é suposto acreditar em qual?

Depois, os menos conhecidos mas não menos importantes, do género "A água de Janeiro vale dinheiro" (?) ou "Chuva de Levante, não deixa coisa constante" (é suposto isto significar alguma coisa?), todos os ditados contam uma historieta. Seja ela bastante perceptível ou daquelas que ninguém sabe o que possa sequer significar. Quem terá sido o cérebro que um dia se lembrou e disse "Abril, águas mil"?Que lhe passaria pela cabeça?Anotaria ele/ela todos os anos se chovia ou não em Abril?Será esta a verdadeira origem da meteorologia?

Mas nem só de meteorologia vive o dizer popular: há ainda os que têm tendência a inventar coisas: "Parece que tem bichos carpinteiros". Bem, o que raio é um bicho carpinteiro?Qual será exactamente o aspecto de um bicho carpinteiro?Não sei, mas certamente usa lápis na orelha, digo eu. Já agora: porque não bichos recepcionistas?Bichos mecânicos?

Depois temos os ditados que são conselheiros autênticos, do género "A casamento e baptizado, não vás sem ser convidado". Obrigado!O meu sincero obrigado a quem me dá este belo conselho, já que estava mesmo a pensar aparecer no casamento da minha vizinha só para dar um ar da minha graça...Mas sendo assim, já não vou.

Mas os melhores ditados, esses são os do meu pai. Não sei se os inventa, se os recolhe ou se os sabe de cor...Mas que são verdadeiras pérolas, isso não reste a menor dúvida. Partilho então convosco algumas dessas obras-primas da sabedoria popular, que me chegam aos ouvidos pela voz do progenitor:

'Depois do baptizado, não faltam padrinhos.'

'Pimenta no cu dos outros é refresco'

'Fazer filhos na mulher dos outros não custa nada'

'Se é assim na montra, imagino no armazém'




Para já, não me lembro de mais. Quando me lembrar corro até aqui para contar-vos.

3 comentários:

Daniel disse...

O primeiro e o último são fantásticos, não conhecia.

Acredito que cada ditado encerra uma lição numa situação específica que já foi outrora vivido por alguém, daí haver alguns contraditórios.

Luís Ferreira disse...

"À terceira é de vez."

"Não há duas sem três."


Vou acreditar em qual??????????

Tiago de la Rocha disse...

Primo, esses são da família do "quem espera sempre alcança" e "quem espera desespera" :)